Harley-Davidson Street Rod 750 – Lançamento e Novidades



  

Modelo deverá custar mais de US$ 8 mil.

A empresa norte-americana Harley Davidson foi nomeada em 1903 no estado de Wisconsin, na cidade de Milwaukee, por dois jovens, o William S. Harley e o Arthur Davidson. O objetivo, no início, era colocar um motor numa bicicleta, tanto para um deslocamento mais rápido, quanto para competições. Exemplares desta "máquina" foram utilizadas na primeira e na segunda guerra mundial.

Ainda não temos uma data específica para o lançamento aqui no Brasil, mas nos próximos meses, o mercado norte-americano receberá a Harley-Davidson Street Rod 750 com um valor a partir de US$ 8.699, tendo diversos opcionais para agregar.

O motor se destaca em relação a versão padrão (Street 750), com cerca de 8% a mais no torque e aproximadamente 18% na sua potência. Esta motorização, que é resfriada a ar, é chamada de High Output Revolution X, com "V-Twin e 749 CM³. Com 4.000 RPM, um torque de 6,5 kgfm e 68,4 CV de potência a 8.750 RPM. O nível de giros subiu de 8 mil para 9.000 RPM.

Esta moto adotou um novo sistema de suspensão (possuem reservatório de expansão a gás com curso de 117mm e ajuste de "pré-carga") e um novo pacote de freio (frontal duplo de 300 mm de diâmetro ventilado), com ABS de série.

A Street Rod 750 vem com um novo chassi e rodas em liga leve de 17 polegadas na traseira (pneu 120/70) e na dianteira (pneu 160/60), mostrando um visual custom bem mais agressivo. A tela de velocidade é digital e as luzes traseiras são em LED. O seu peso foi mencionado em 238 kgs e o tanque de combustível leva 13,2 litros.





As mudanças não param por ai, o ângulo de inclinação do garfo será de 27°, onde era de 32° na Street 750, que garante uma maior agilidade e um conforto maior do piloto.

A "cara" deste modelo ficou marcante nas fotos, onde as molas dos dois amortecedores traseiros, pintadas em vermelho, se destacam com as cores preto fosco, cinza bem escuro e poucas peças cromadas. O novo modelo traz o guidão reto e com os espelhos retrovisores instalados nas pontas.

Para os aventureiros brasileiros, a espera pode compensar o prazer de pilotar essa máquina nas ruas.

Por: Fernando Dias



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *