Recall Yamaha Neo 125 UBS



  

Empresa convoca proprietários do modelo por risco de curto.

A Yamaha tem uma importante notícia para quem possui um exemplar de seu famoso modelo NEO 125 UBS. Isso porque algumas motocicletas foram convocadas para a realização de um recall para a substituição de um kit de chicote do velocímetro.

As unidades que foram afetadas são os modelos do ano de 2017 e 2018. E se você quer saber mais sobre a troca, fique ligado que daremos todas as informações necessárias.

Quais os modelos envolvidos?

Como já foi falado anteriormente, as unidades que foram afetadas são alguns modelos do ano de 2017 e de 2018. Os números dos chassis do Yamaha NEO 125 UBS afetados são identificados como: 9C6SEB510H0000101 até 9C6SEB510J0010798.

Qual a falha identificada?

Conforme dados da própria Yamaha, em comunicado oficial, foi detectado pela empresa uma inconformidade no comprimento e na própria fixação dos fios do velocímetro logo na montagem de unidades. Sendo assim, esses fios podem acabar ficando presos entre o guidão e o velocímetro, causando um atrito entre os fios e o cordão de solda do guidão.

Esse roçar pode acabar ocasionando um desgaste na proteção da fiação, o que ocasionaria um curto circuito. E, portanto, nas situações colocadas, a parte elétrica e o motor da Yamaha NEO 125 UBS poderá se desligar durante a sua utilização, causando sérios acidentes e, inclusive, lesões aos seus usuários.

Como faço para agendar o recall?

Quem for proprietário de uma das scooters envolvidas no recall, precisa agendar o quanto antes o seu reparo, garantindo assim a sua segurança e dos demais passageiros. Por isso, a Yamaha informa que a substituição do chicote do velocímetro é feita na própria concessionária e revenda da marca, precisando de agendamento antecipado para a sua realização.

Esse pode ser feito pelo telefone disponibilizado pela montadora, no 0800 774 3738 ou, ainda, pelo portal da marca, no www.yamaha-motor.com.br. Toda e qualquer outra informação que o condutor precisar ou alguma dúvida que tiver e que for relacionada ao assunto, pode ser também sanada pelos mesmos canais.





É fundamental salientar que não é feita nenhuma cobrança para esse recall, sendo a troca realizada gratuitamente. Conforme a Yamaha, o tempo estimado para a realização do reparo, baseado nas determinações do Código de Defesa do Consumidor, é de apenas 30 minutos.

Outros recalls realizados em 2017

Esse não é o primeiro recall realizado pela Yamaha no ano de 2017. De acordo com o site da montadora japonesa no Brasil, foram identificadas, até o momento, quatro necessidades diferentes, incluindo a citada nessa matéria.

Sendo assim, a primeira convocação foi realizada em março desse ano, em que proprietários das motocicletas FAZER 250, TÉNÉRÉ 250, MT-03, R3 e LANDER 250, dos anos de 2016 a 2018, precisaram substituir o subchicote do interruptor da ignição. Embora não houvesse a ocorrência de acidentes no país, as inconformidades identificadas em caso de infiltração de água no componente poderiam ocasionar uma oxidação do contato nos terminais, trazendo a possibilidade de falhas elétricas e risco de desligamento do motor durante o seu uso.

Já o segundo recall, também em março desse ano, convocou os proprietários dos modelos MT-03 e R3 dos anos 2016 a 2018 para substituição do suporte frontal do tanque do combustível. Sua necessidade se deu após a averiguação de um desvio na posição do furo da fixação de suporte do tanque do combustível, podendo causar uma trinca no tanque e o conseqüente vazamento do combustível e risco de incêndio.

E em abril, os usuários dos modelos MT-09 TRACER e MT-09, dos anos 2015 a 2017, tiveram que realizar a substituição de suportes do guidão. A troca se deu pela hipótese de ocorrência de desplacamento de pintura na base de suportes do guidão e da falta de aplicação suficiente de um agente travante no parafuso. Em caso, portanto, de força excessiva sobre o guidão, o parafuso poderia se desprender e, consequentemente, soltar o guidão, fazendo com que o condutor perdesse o controle da motocicleta.

Kellen Kunz



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *