Veja aqui a lista de motos mais vendidas no Brasil no 1º semestre de 2018.

O mercado de motos no Brasil tem crescido muito, e a tendência é aumentar. Isso só aconteceu pelo fato de muitas marcas terem lançado motos modernas e com funções inovadoras. Com tantas opções, fica até difícil decidir qual é o melhor modelo de moto a comprar. Para facilitar a vida dos consumidores que desejam saber mais sobre as motos mais indicadas, vou reunir aqui nesse texto as 10 motos mais vendidas nesse primeiro semestre e falar um pouco sobre cada uma.

1-Honda CG 160 2018

A Honda CG 160 2018 é uma moto muito completa e com design agradável, pois ela é robusta e moderna ao mesmo tempo. Ela é considerada muito potente e consegue oferecer até 15,1 cavalos de potência. Ela também é considerada uma moto muito confortável e esse conforto é para o motorista e também para o passageiro. A Honda CG 160 2018 possuí 4 versões e seus valores vão de R$ 7.740,00 (versão simples) até a R$ 10.290,00 (versão mais Top). De modo geral essa moto agrada em quase todos os fatores e funções.

2-Honda Biz 2018

A Honda Biz 2018 é uma moto mais popular e que também já caiu na graça dos usuários de motos. Ela é indicada para quem quer mais praticidade e facilidade ao conduzir. Por ser uma moto mais simples, ela é uma das motos que mais vendem no Brasil. Isso acontece pelo seu valor que é considerado acessível e fácil de agradar a diferentes tipos de consumidores. Ela tem motor potente que faz até 9,2 cavalos de potência, e também possuí 4 velocidades. Ela possui 2 versões, seu modelo de entrada custa R$7.390.

3-Honda Broz 160 2018

A Honda Broz 160 2018 é uma moto completa e muito moderna, que é fácil de agradar a muitos usuários. Ela foi criada para conseguir andar bem em qualquer tipo de estrada e por isso é considerada uma moto versátil. Ela possui 5 velocidades e seu peso é de 120 quilos. Sua versão de entrada custa R$10.190,00, e de modo geral ela consegue agradar a maioria dos usuários de moto.

4-Honda Pop 110i 2018

A Honda Pop 110i 2018 é uma moto muito prática e que tem muitas funções legais. Além disso, ela é muito econômica e tem o valor bem acessível. Seu design não tem tantos detalhes, mas mesmo assim consegue agradar muito. Ela possui 3 cores disponíveis que são: Branco, preto e vermelho. Seu motor é o OHC e permite fazer até 7,9 cv de potência. Seu valor médio é de R$ 5.355,00 e ele é um dos maiores destaques dessa moto.

5-Honda PCX 2018

A Honda PCX 2018 é uma moto cheia de detalhes incríveis e por isso ela está entre as motos mais vendidas. Entre os seus detalhes estão o bagageiro grande, tomada 12V para recarregar smartphone e também porta-objetos. Seus conjuntos combinados de freios ajudam a manter sua alta capacidade de segurança. Ela também possui motor potente e design bem moderno.

6-Honda CB Twister 2018

A Honda CB Twister 2018 é a grande moderninha que encanta por onde passa. Ela possui painel digital sinalizadores, marcador de combustível e muito mais. Seu design chama atenção por ser esportivo e encantador. Ela tem 6 velocidades e consegue fazer até 22,4 cv. Seu peso seco é de 135 quilos, o que agrada a maioria dos usuários dessa moto. Seu valor de mercado também é acessível e tem valor médio de R$ 14.100,00.

7-Honda CB 125R 2018

Essa moto é considerada muito potente e possui design bem moderno. Com uma tecnologia de ponta a Honda CB 125R é ideal para quem quer potência sobre duas rodas. Com um ótimo valor de mercado com valor inicial de R$ 9.000,00 ela também é bem acessível. Ela tem perfil esportivo e consegue ser uma moto bem fácil de dirigir.

8-Honda XRE 300 2018

Essa moto é indicada para quem quer fazer viagens de alta duração, ela é muito econômica e confortável. Seu design consegue encantar por ser bem esportiva. Ela também tem fácil manutenção e seu valor de mercado pode ser um pouco acima da média custando R$ 16.650,00.

9-Yamaha YBR 150 2018

A Yamaha YBR 150 2018 é uma moto com muita beleza externa, e que consegue convencer o consumidor de compra-la facilmente. Além disso, ela é muito econômica e possui muita potência. Seu motor é o Blueflex, e consegue fazer a potência máxima de 12,4 cv. Seu câmbio possui 5 velocidades e ela possui partida elétrica.

10-Yamaha Crosser 150 2018

Esse é o modelo mais esportivo da lista. Com um belo design e muitas funções, essa moto se torna uma ótima opção de compra. Esse modelo possui uma ótima suspensão que ajuda a manter a moto bem equilibrada com os possíveis impactos na pista. Ela tem motor potente que faz a potência máxima de 12 cv. Sua versão de entrada tem valor médio de R$ 10.190,00.

Essas são as 10 motos mais vendidas no 1º semestre de 2018!

Escrito por Cristiane Amaral!


Confira aqui a lista com as motos mais vendidas no país neste primeiro semestre de 2017.

Se você gosta de andar de moto e tem interesse pelo assunto, confira aqui quais foram as motos mais vendidas no primeiro semestre de 2017.

Segundo dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), comparando a quantidade de motos vendidas nos primeiros seis meses desse ano com o volume de vendas do mesmo período no ano passado, houve redução em 21,1%.

No ranking de marcas, aquelas que mais venderam foram: Dafra, em quinto lugar com 3.689 unidades nos seis meses de 2017; a Suzuki, que ocupa a quarta posição com 3.964 motos vendidas; a Shineray em terceiro lugar com mais de 8 mil unidades; a Yamaha é a marca vice-campeã em vendas com mais de 56 mil unidades e a campeã é a Honda com 334 mil motos vendidas.

Na categoria utilitárias urbanas, City, os seguintes modelos foram os mais vendidos:

  1. Honda CG 160 com mais de 115 mil unidades;
  2. Honda CG 125 com mais de 14 mil motos vendidas;
  3. Honda CB 250 Twister, que vendeu mais de 11.395;
  4. Yamaha versão Factor 150 com mais de 11.316;
  5. Yamaha Fazer 150 com um pouco mais de 5 mil unidades comercializadas.

Já na categoria Scooter, a mais vendida foi a Honda PCX 150 com mais de 12 mil unidades, seguida da Yamaha versão NMax com mais de 4 mil. A Yamaha Neo 125 ocupa a terceira posição e a Dafra Citycom 300i a quarta colocação.

Dentre as motos Naked alta cilindrada, as campeãs em venda foram a Honda CB 500F e a Yamaha MT-07. Por sua vez, a Yamaha XJ6 ficou com o terceiro lugar, seguida da Honda CB 650F e da Yamaha MT-09 – 373.

Se você prefere as do tipo Cub, confira o ranking das que mais venderam esse ano: Campeã – Honda Biz, Vice-campeã – Honda Pop 110i, Terceiro lugar – Shineray XY, Quarta posição – Traxx versão JL50 e a última posição do Top 5 é ocupada pela Honda Pop 100.

O top 3 da categoria naked baixa cilindrada é composto pelos seguintes modelos: Yamaha versão MT, depois o Kawasaki Z300, seguido do KTM 200 Duke.

Na categoria Trail a moto que mais foi vendida foi a Honda Bros 160. Já no tipo aventureiro foi a moto BMW R 1200 GS.

Melisse V.


Modelo custa R$ 21 mil e as reservas poderão ser feitas pela Internet.

A BMW deu início nesta semana à pré-venda da G 310 R, que é sua primeira moto de baixa cilindrada no país. Segundo informações divulgadas pela empresa, as reservas poderão ser realizadas via internet e serão válidas para as 100 primeiras unidades da moto.

O valor do modelo urbano é de R$ 21.900, sendo o primeiro de baixa cilindrada da BMW no Brasil e sua montagem acontece em Manaus. No segundo semestre deste ano, as primeiras unidades chegarão às concessionárias.

Também está prevista para 2017 a expansão da linha de motores menores da BMW, com a chegada da moto G 310 GS.

Além de se apresentar como uma opção com menor cilindrada, a G 310 R é mais barata, com o preço mencionado, o modelo está longe do antigo modelo mais barato da montadora, a F 800 R, cujo valor R$ 43.900, que também é o mesmo preço da F 700 GS.

A base de produção da G 310 R está na Índia e lá a fabricação se dá em conjunto com a indiana TVS. É de lá que as peças são enviadas para a montagem no Brasil. Para produzir esse modelo e outros, foi feito um novo investimento na fábrica de Manaus, no valor de 4 milhões de euros.

A G 310 R chega ao país em uma faixa de cilindrada que possui modelos como Honda CB Twister e Yamaha Fazer 250. Contudo, o foco da BMW deve ser uma faixa de consumidores que buscam modelos mais premium, como Yamaha MT-03, KTM 390 Duke e Kawasaki Z300.

O motor desse modelo é um inédito monocilíndrico de 313 cc, com refrigeração líquida, apresentando duplo comando de válvulas e injeção eletrônica. Segundo as informações da BMW, chega até a 34,4 cavalos de potência e 2,85 kgfm de torque.

Sendo o responsável por empurrar os 158,5 quilos da motocicleta, o novo propulsor traz um cilindro voltado para trás e cabeçote rotacionado a 180 graus, permitindo maior agilidade à moto, de acordo com a montadora.

A suspensão dianteira é do tipo invertida, bastante comum nos modelos que possuem maior cilindrada. Os freios são a disco em ambos os eixos, sendo ABS e de série na G 310 R.

Iris Gonçalves


Queda registrada foi de 7,29% em agosto nas vendas de motos no Brasil.

O mês de agosto também não foi bom para o setor de motos que apresentou queda nas vendas. Este era um dos setores que mais vinha crescendo no País e bastava olhar para ruas e avenidas para vermos o grande número de motos transitando. Mesmo quando a venda de veículos reduzia ou caia, o setor de motos continuava bom, mas não foi capaz de suportar a crise prolongada, apresentando queda de 7,29% em agosto.

Os dados foram divulgados pela Fenabrave e mostram mais um setor que está entrando em crise, devido à situação em que o País se encontra. A Fenabrave é uma entidade onde estão reunidos as revendas de veículos de todo o Brasil e os números divulgados pela entidade são preocupantes. É mais uma queda nas vendas de motos.

Em julho, o número de motos emplacadas chegou a 107.757. Em agosto, este número foi de apenas 99.901 motos emplacadas. A queda de 7,29% não apenas mostra a baixa nas vendas, como também alerta para este mês de setembro, que poderá registrar nova queda.

Durante todo este ano, o setor de motos vendeu apenas 849.449 unidades. Pode até parecer muito, mas o setor registrou uma queda de 10,59% se compararmos este período com o mesmo de 2014, quando foram emplacadas 950.052 unidades.

O único motivo que o setor de motos tem para comemorar é que este segmento foi o que menos caiu em 2015, pois enquanto este setor teve uma queda no acumulado do ano de 10,59% o setor de automóveis e comerciais leves já registrou uma redução nas vendas de 20,38%.

Alarico Assumpção Júnior, presidente da Fenabrave, lamenta que no cenário econômico do Brasil não tenha ocorrido mudanças e pior, a perspectiva é que as vendas continuem caindo neste resto de ano, pois até a presidente Dilma Rousseff já alertou que 2016 será um ano difícil, de sacrifícios, então não é bom esperar melhoras para os próximos meses.

As motos sempre foram um meio de transporte rápido, prático, econômico, principalmente nos grandes centros urbanos, mas com a redução nas vendas, o efeito dominó vai se espalhando, as empresas vão contratando menos, precisando de menos serviços, menos entregas e chega ao setor de motos, como podemos constatar.

Por Russel

Motos

Foto: Divulgação





CONTINUE NAVEGANDO: