Kawasaki Versys 1000 GT 2020 – Novidades, Preço e Análise





Modelo ganhou vários ítens de conforto.

Mesmo sem muitas mudanças, a Kawasaki Versys 100 GT mostra que é moderna e trás novos equipamentos tecnológicos. Para um modelo mais aventureiro, é perfeita para viagens longa no asfalto, se mostrando bastante confortável.

A versão GT trará vários itens de conforto, ao começar por top case de série e malas laterais. Além disso, o novo modelo da Kawasaki também terá aquecedor de manoplas, painel digital, luzes auxiliares e faróis que se acendem de acordo como a moto faz as curvas e se inclina. Todos esses equipamentos a mais têm seu custo, e por isso, o valor aumentou para R$ 66.990,00 e R$ 55.490,00 para a versão Standard.




Esportiva e aventureira

Embora a Kawasaki Versys 1000 GT não seja uma Bigtrail, o modelo une duas categorias de moto em uma, o desempenho sport-touring e a pilotagem que deixa o visual bastante aventureiro. A parte mecânica da motocicleta possui motor com 4 cilindros e 1.043 cm³, porém, vem com suspensão de longo curso, isso significa que a posição de pilotagem é mais ereta.

O aro das rodas é de 17” em liga leve, o que a limita um pouco, deixando-a mais pesada fora da estrada. Sendo mais voltada para o asfalto, o modelo foi lançado pela primeira vez em 2014, e a própria empresa afirma que realmente existe uma parcela de consumidores que usa esses modelos no off-road.


Mecânica

Para quem procura algo desse estilo, a Versys 1000 GT pode ser uma excelente opção. O motor continua com bom desempenho, tendo 120 CV e uma potência de 10,4 kgfm, e ainda recebeu algumas melhorias. O acelerador por exemplo, é eletrônico e passou a ter funcionamento mais linear, o que trouxe para o piloto o Cruise Control, que é bem útil para viajar.

Uma outra novidade foi com o sistema Quick-Shifter, que agora é bidirecional, vindo de série na versão GT. Esse sistema permite reduzir e subir marchas do câmbio, sem que haja necessidade de usar a embreagem. Isso significa menos esforço para o condutor, e mais conforto quando for rodar por muitas milhas.

Eletrônica de última geração

Para motos desse estilo, a unidade de medição inercial é o IMU, que antes era usada apenas para as superesportivas, agora também é usado para as de modelo aventureiro. A IMU, serve para medir os padrões do chassi, motor e os seis eixos. Sendo assim, a tração e os freios conseguem ser controlados de um modo mais preciso, e isso é um dos itens de série da Versys 100 GT.

Não precisa se preocupar em ajustar a parafernália eletrônica, ela possui 4 modos de pilotagem diferente que conseguem se integrar melhor entre si, assim como os parâmetros dependendo da situação, seja na estrada, em esportes, ou em dias chuvosos. É possível personalizar para qualquer um desses tipos.

A maneira de pilotar também pode ser ajustada com a suspensão, que agora é eletrônica. Isso indica que a compressão é regulada, o modelo e a adaptação é feito em milissegundos, dependendo do piso.

Na estrada

Em vários modelos da Kawasaki, e não é diferente na Versys 1000 GT, há um conjunto motriz. Esse motor consegue entregar mais potência de forma regular e o câmbio tem os engates precisos sem sustos para o condutor. Para quem pilota, é preciso apenas se acomodar no assento e depois de ajustar a altura é só dirigir com conforto.

O moto aguenta uma aceleração grande, com pouco giro e torque forte, para rodar de forma tranquila. Para finalizar, a Kawasaki Versys 1000 GT tem consumo de 19 km/L, o que equivale a uma economia de cerca de 400 km com o tanque cheio, que cabe 21 litros.

Por Susan NogArt

Compartilhar:


Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *