Modelo chega aos 326 cv e sai por mais de R$ 350 mil.

Foi anunciado pela marca produtora de motos de alta potência Kawasaki, a aceitação do começo de encomendas para a linha superesportiva da marca do ano de 2019, sendo elas Kawasaki Ninja H2, Kawasaki Ninja H2 Carbon e Kawasaki Ninja H2R, ambas tem características não urbanas, sendo conhecidas como "moto de pista", porém, mesmo assim, dois dos modelos poderão ser pilotados nas ruas, tirando claramente a H2R, que é feita para a pista, onde o ambiente é controlado e se tem uma segurança maior para alta velocidade. Mais uma vez globalizando as três, é importante que se saiba que sua produção mundial é limitada, ressaltando que a Carbon e a H2R têm como base a mais nova irmã, que é a H2.

Mesmo sabendo que chegarão apenas no ano de 2019, já poderão ser feitas as encomendas de ambos os modelos citados, e isto à partir do mês de outubro, por preços que estão à altura de suas características e desenvolvimento, seja na cidade, seja na pista, independentemente disto, terá um preço justo.

A pré-venda das motos podem ser feitas a partir do hotsite www.kawasakibrasil.com/lancamento. Porém fique atento que essas pré-vendas têm limitação de tempo e podem ser feitas apenas até o dia 30 de novembro, e vale ser ressaltado ainda que elas chegarão apenas a partir de maio do ano que vem, então para quem encomendar, espera-se que a ansiedade seja grande, até porque, imagine, é um superesportiva em sua garagem.

As cores da moto são um tanto quanto interessantes, isso porque seus nomes não são tão comuns de serem citados popularmente, observe, as motos H2, H2 Carbon e H2R têm as opções:

  • Mirror Coated Spark Black (preto);
  • Mirror Coated Matte Spark Black (preto);
  • Golden Blazed Green (Carbon) verde;
  • Mirror Coated Matte Spark Black, que é para a H2R;

Tendo ainda sim a maior potência da H2 e da H2 Carbon 2019, tomando início em suas antecessoras, ambas as motos têm como a mais atrativa e chamativa novidade uma pintura considerada especial prata espelhada, que não é tão comum de se ver, cor que atualmente está sendo chamada de “auto curativa”, ou também pode ser conhecida como auto regenerativa.

A tecnologia que é envolvida e apresentada nas motos parecem coisa de filmes futuristas, pois apresentam um grande grau de inteligência e uma maior segurança, mesmo se tratando de uma superesportiva, porém, a tinta pode realmente corrigir de forma própria alguns arranhões feitos pelo motorista ao conduzir, mas desde que a temperatura ambiente seja mantida alta o suficiente para que todo esse processo seja feito, assim, garantindo uma ótima condução e confortabilidade. Tendo em mente ainda a característica da moto H2R, isso porque além de trazer esta pintura cromada, ainda possui detalhes feitos em prata. Já agora pensando na segunda geração, esta veio com uma pintura diferente, lembrando como se fossem pedaços de vidro, coisa que deixa quem conduz ou olha sua condução, muito surpreso. E em relação a sua potência, podem todos aqueles que amam velocidade, ficarem felizes, pelo motivo da mesma ter sido aumentada em 15%, que mesmo parecendo um número pequeno, para uma moto é muito significativo.

As motos, como dito anteriormente, tem seu preço justo, pois levaremos em conta vários fatores, principalmente os que foram citados aqui, começando por ser uma moto extremamente preparada para a pista, e apesar de apta, não tão capaz de ser conduzida pela cidade, e mais um de seus investimentos foram em pinturas, por se tratarem de cores incomuns, espera-se um grande trabalho em cima das mesmas, e por fim, sua potência, que de maneira absurda aumentou e com certeza houve um grande trabalho para isto.


A nova geração da Kawasaki Z900RS chegará ao mercado brasileiro em breve.

Essa mais nova geração da Kawasaki Z900 estará chegando ao mercado automobilístico do Brasil muito em breve. Isso mesmo, o modelo icônico Z900 renasceu novamente.

As principais características da nova Kawasaki Z900RS 2019 são um Estilo totalmente agressivo “Z”; o seu Painel de instrumentos é multifuncional; sua Lanterna é em formato “Z”; o seu Motor é digno de uma moto superesportiva; a sua Embreagem é assistida e deslizante; o Som único de admissão a ar; o Leve quadro de treliça; uma ótima Suspensão; produz muita Confiança e principalmente uma grande segurança; Ergonomia; ABS é de série.

Espera-se que essa nova Kawasaki Z900 RS 2019 esteja já disponível nas suas mesmas cores em que temos o seu atual modelo que já está sendo comercializado em todo o mercado automobilístico do país.

Essas cores que estão disponíveis são: Pearl Mystic Gray; Candy Lime Green; Metallic Flat; Spark Black; Candy Persimmon Red; Candy Lime Green.

Para a nova Kawasaki Z900RS 2019, não foi divulgada nenhuma informação específica ou técnica. No entanto, espera-se que a sua ficha técnica permaneça similar ou até mesmo igual a do seu modelo atual.

Sendo assim, você pode conferir abaixo a ficha técnica do modelo da Kawasaki Z900RS no ano de 2018:

O seu Motor é Tipo 4 tempos, e 4 cilindros em linha, e sua refrigeração líquida; Cilindrada com 948 cc; o seu Diâmetro x curso é de 73.4 x 56,0 mm; a sua Taxa de compressão é de 11, 8:1; o seu Sistema de válvulas é o DOHC, com 16 válvulas; o seu Sistema de combustível é de Injeção eletrônica; a sua ignição é Digital; a sua Partida é Elétrica; a sua Lubrificação é forçada e de cárter úmido.

Ele possui o quadro tipo de Quadro de aço e de treliças; Curso da sua roda com um Dianteiro de 120 mm; o seu Curso da roda de Traseiro é de 140 mm; o seu Pneu Dianteiro é o 120/ 70ZR17M/C e 58W; o Pneu Traseiro é de 180/ 55ZR17M/C e 73W; o seu Caster rake é de 24,5°; e o Trail é de 103 mm; além de um Ângulo com esterçamento entre Esquerda e Direita entre 33° / 33°.

As suas Dimensões são de um Comprimento total de 2.065 mm; Largura total de 825 mm; Altura total de 1.065 mm; Entre eixos de 1.450 mm; Altura mínima de solo de 130 mm; Altura do seu assento de 795 mm; Peso em ordem da sua marcha é de 210 kg; e a sua Capacidade do tanque é de um total de 17,0 litros.

A sua Suspensão Dianteira é de Garfo invertido com 41 mm e um amortecimento de retorno com uma pré-carga na mola ajustável; a Traseira é Horizontal Back-link e um amortecimento de retorno com ajuste na pré-carga da mola.

Os seus Freios Dianteiros são do tipo disco duplo com 300 mm e formato margarida; Dianteiro em Pinça Dupla e oposta com seus quatro pistões; Traseiro Tipo Disco simples com 250 mm e formato margarida; Traseiro Pinça é Pistão simples.

Com o seu visual ainda muito mais moderno e também com certeza ainda mais potente, a nova Kawasaki Z900RS 2019 estará pronta para poder oferecer as suas melhores experiências montado em uma máquina de duas rodas.

Pensando sempre no melhor para todo o seu público-alvo, a montadora da Kawasaki que é a sua marca fabricante, vem fazendo um investimento pesado no seu novo modelo. Sendo assim, com certeza é normal que seu valor seja um pouco mais elevado ao que os clientes esperam.

Segundo algumas informações que já foram divulgadas, a nova Kawasaki Z900RS 2019 custará uma média de R$ 41.990,00.

Por Ricardo Ferreira Rodrigues

Kawasaki Z900RS 2019


Moderna e em modelo único, a moto faz parte da classe retrô, inspirada na década de 1970.

A Kawasaki revelou a sua mais nova aposta para mercado, a Z900RS. Moderna e em modelo único, a moto faz parte da classe retrô, inspirada na década de 1970, com referência as linhas clássicas da Z1, e com base no modelo Z900.

Ao invés de simplesmente dar um novo estilo ao modelo retro Z900, o Kawasaki introduziu uma série de mudanças, significativas, sob o design. Essas mudanças incluem um motor retomado e um chassi totalmente redesenhado.

Motor

Segundo a fabricante, motor quatro cilindros de 948 cm³em linha-quatro foi retomado para um torque mais forte de baixo a médio alcance. O pico de energia está reduzido de 125cv para 111 cv de potência máxima (a 8.500 rpm).

A primeira marcha também é mais curta do que o antigo modelo da marca, Z900, para torná-la mais difícil de parar, quando começar a mover-se. Já a sexta marcha é mais alta para vibrações reduzidas em velocidade.

De acordo com a fabricante Kawasaki, a estrutura de treliça de aço foi "completamente redesenhada" para acomodar o novo tanque de estilo, em formato de gota, o que, também, ajuda a oferecer uma posição de condução mais relaxada e mais alta do que a Z900.

Peso

Feita sob uma estrutura mais leve, com larga utilização de materiais resistentes, o novo modelo surge para substituir a icônica Z800. São apenas 210 kg que acrescentam mais estilo e charme no modelo Kawasaki. Sua posição mais baixa para a condução é determinante para uma condução mais esportiva.

Curiosamente, o Z900RS também obtém um freio dianteiro de maior especificação e a adição de controle de tração, no que poderia ser um sinal de que upgrades semelhantes estão a caminho do Z900.

Ainda de acordo com informações da fabricante Kawasaki, o Z900RS possui calipers dianteiros monobloco de quatro pistões de montagem radial, enquanto o Z900 possui uma configuração convencional de quatro pistões gêmeos.

Já como o modelo Z900, a Z900RS possui uma embreagem de assistência e chinelo, mas também se beneficia do controle de tração, que ao contrário da Z900, não possui nenhum.

O sistema KTRC oferece dois modos de equitação, um para "desempenho de equitação de esporte melhorado" e um para "negociar superfícies escorregadias com confiança".

Entre os muitos novos elementos de estilo tradicionais, estão o capot de cauda inspirado Z1 e o velocímetro e o rev-contador de estilo analógico.

Rodas

As culatras agora têm barbatanas para imitar o arrefecimento do ar e as novas rodas fundidas que possui mais raios. As jantes raiadas possuem dimensão para encaixe de uma grande variedade de pneus, que vão de modelos de pneus mais clássicos, aos mais desportivos, que são usados para eventos como Track Days.

A fabricante Kawasaki ainda afirma que a nota do escape de quatro em um, de estilo megafone, foi especialmente ajustada para um rumor profundo a baixas rotações.

Como o Z900, a Kawasaki Z900RS tem forquilhas invertidas de 41mm com amortecimento de compressão e amortecimento de recuperação, com ajuste de pré – carga de mola. O modelo ainda possui e um back – link horizontal, choque carregado com gás, com amortecimento de rebote, e ajuste de pré – carga da mola.

Cores

O modelo pode ser encontrado no mercado nas cores verde, marrom e laranja, preto ou fosco.

Lançamento

Os novos modelos da fabricante, a Z900 RS e a Ninja 400, foram apresentadas nesta última terça-feira, 14, em um evento em São Paulo, São Paulo Expo. Os novos modelos estão previstos para serem vendidos no Brasil a partir de 2018. Os valores ainda não foram revelados para vendas no país.

Já para demais especificações e outros modelos, acesse o site da fabricante Kawasaki pelo link: http://kawasakibrasil.com.br/.

Por Cassiany de Paula

Kawasaki Z900RS


A nova moto da Kawasaki foi apresentada no Salão de Tóquio e traz novidades.

Quem gosta de pilotar motocicletas e tem interesse em acompanhar as notícias sobre o mundo das motos, pode conferir aqui uma boa notícia sobre o próximo lançamento da Kawasaki.

Apresentada como a substituta da Ninja 300, no evento Salão de Tóquio 2017, que teve início no dia 25 de outubro (quarta-feira) e é a oportunidade das marcas anunciarem os novos modelos para 2018, a Kawasaki Ninja 400 é uma moto completamente nova.

Saiba mais informações sobre essa novidade a seguir.

Motor

A nova Ninja tem um motor moderno, sendo muito diferente de sua versão anterior, com novo chassi, que a torna mais leve que o modelo anterior em quase 8 quilos.

O motor é de 399 cilindradas e possui potência de 44,8 cavalos a 10.000 rotações por minuto (RPM). Com o aumento das cilindradas, há uma melhor integração entre o desenho da caixa de ar, o que resulta em mais eficiência e uma admissão ainda melhor. Desse modo, a Ninja 400 alcança quase 45 cavalos de potência, enquanto a Ninja 300 chegava até 39 cavalos.

As dimensões desse equipamento são semelhantes ao do modelo Ninja de 250 cilindradas e ainda possui a vantagem de pesar menos 1 quilo em comparação entre essa versão e a mais atual.

Assim, com motor de dois cilindros paralelos e refrigeração líquida, fabricados para ofertar um melhor desempenho em todas as faixas de vídeo e garantir comportamento confortável, tanto a pilotos novatos, quanto àqueles mais experientes.

Design

Em seu visual, há diversas mudanças em relação à sua antecessora, Ninja 300. As referências são os modelos mais robustos da Casa de Akashi, como por exemplo, a Ninja 650 e a Ninja ZX-10R.

A moto evoluiu para tentar vencer a concorrência de Yamaha YFZ-R3.

O novo painel tem mais aparência de uma realidade esportiva e apresenta conta-giros analógico no centro do painel. Completando o modelo, ao redor dele, há luzes espias e mostrador digital com fundo escuro, com informações em branco, e isso torna a visibilidade ainda melhor, tanto com relação à marcha engatada, quanto da velocidade.

Assim, a Kawasaki Ninja 400 tem mais estabilidade, facilidade nas manobras e rigidez para uma moto esportiva.

Acessórios

A nova motocicleta da Kawasaki tem vidro mais alto, banco com altura de 786 milímetros e largura de menos de 30 milímetros que o banco de seu modelo anterior, o que o torna mais ergonômico e facilita o apoio dos pés no chão.

Além disso, possui também uma proteção de depósito, fita de decoração das jantes, cadeado de capacete, tomada de corrente elétrica, um local para armazenamento de pequenos objetos, proteção para o quadro, tampa para o banco do carona e cadeado em U.

Freios, embreagem e tanque de combustível

O disco de freio na dianteira é de 290 milímetros de diâmetro. Já na parte traseira, tem um disco de 220 milímetros. O freio Anti-lock Braking System (ABS) fica a critério do cliente, podendo inclusive optar por um modelo sem esse mecanismo contra derrapagens.

O sistema de embreagem agora é mais deslizante, o que deixa os engates mais fluidos, leves e favorece mais agilidade à moto, pois há uma pressão muito menor no acionamento da embreagem. Isso permite também mais disposição ao condutor.

O tanque possui capacidade para 14 litros de combustível. Assim, o peso total é de 172 quilos para aqueles que preferirem a moto sem ABS. Já quem preferir com o dispositivo, a motocicleta terá peso de 174 quilos.

Preços

Os valores de venda ainda não foram divulgados. Contudo, assim que os primeiros compradores fizerem aquisição no mercado dos Estados Unidos e dos países da Europa, logo terá uma ideia de quanto a Kawasaki Ninja 400 custará no mercado brasileiro.

Por Melisse V.

Kawasaki Ninja 400


Confira aqui as novidades e o preço da nova Kawasaki Z900 2018.

A icônica Z900 renasceu. Esta é a chamada no site oficial da Kawasaki, uma nova aposta na Linha Naked deles a Z900 é uma aposta boa para a categoria e vem com pegada para os amantes da velocidade não conseguirem dizer não ao seu design e agressividade.

Começando pelo seu painel de instrumentos que acomoda um tacômetro analógico com Shif-Light e indicador de marchas em uma tela LCD com um fundo azul agradável. Dessa forma a leitura de dados no painel fica fácil e não tira a atenção do piloto, seu acabamento em fibra de carbono dá um toque sofisticado e moderno ao painel, além de possuir a função ECO nativa, que indica os modos para um consumo mais favorável a economia e uma pilotagem eficiente.

Para garantir seu tom agressivo ela tem uma lanterna traseira literalmente saída de um filme de ficção futurista, com desenho exclusivo e fazendo uso de luzes LED de alto desempenho. O fabricante desenhou tudo para montar a imagem que eles chamam de identidade Z, isso fica perceptivel até mesmo nos detalhes menores.

O seu motor (bom, estamos falando de uma Kawasaki) não deixa as espectativas abaixo, são 948cc que podem levar a Z900 a linha vermelha rapidamente. Toda potência é fluída e entregue de forma suave ao piloto, deixando a segurança em primeiro plano, mas não sem entregar toda sua agressividade caso o piloto necessite.

Ainda falando dos atributos da máquina que move a Z900, temos um sistema de embreagem assistida, sim, esta mesmo, a mesma tecnologia utilizada nas corridas, seu sistema deslizante atua como limitadora do freio motor e como um mecânismo servo para o seu acionamento, garantindo um acionamento no manete bem suave.

O som que você vai ouvir na admissão da moto é ao mesmo tempo feroz e varia de acordo com a velocidade, proporcionando um show a parte ao conjunto, todo o desenho da caixa de ar foi projetado justamente para proporcionar esta experiência, em altas rotações ela entrega uma sinfonia ao piloto.

A montadora não parou por ai, seu quadro é desenhado para manter o centro de gravidade onde ele deve ser, baixo. Seu quadro em treliça tem um peso de 13,5kg e parece uma obra de arte segurando um feroz motor. Sua estrutura dianteira conta com um garfo telescópico invertido de 41mm, com o sistema de amortecimento contínuo e um ajuste de pré-carga da mola, ajustes que podem ser feitos antes de uma viagem ou para andar em cidades com muito trânsito, dependendo do estilo de pilotagem de cada um.

Sua suspensão traseira foi desenhada para absorver ao máximo os impactos, posicionada por cima do braço oscilante ela contribui para a centralização das massas, contribuindo para todo o projeto desde o quadro em manter o centro de massa abaixo e estável.

A altura total do banco ao chão é suficiente para paradas confortáveis com os dois pés no chão, oferecendo uma maior segurança ao piloto nas paradas, e seu guidão com padrão reto e largo fica em uma posição bem esportiva e baixa, facilitando a ergonomia total ao se pilotar. Com todo esse esforço em manter até a posição do piloto corretamente, temos um projeto aqui que vai conquistar a todos.

O sistema de freios não deixa a desejar, com formato de margarida, os discos contam com ABS de série.

As especificações são as melhores possíveis para os aficcionados por velocidade e acima de tudo por liberdade, mas sem deixar a segurança de lado. Seu motor é do tipo 4 Tempos com 4 cilindros em linha e usa refrigeração líquida, são 16 válvulas e injeção eletrônica comandando o motor.

Partida Elétrica e ignição digital inteligente são a cereja do bolo aqui. Sua transmissão conta com 6 marchas e usa o sistema de correntes.

O preço sugerido para a Z900 é de R$41.990,00 e já está disponível em vários revendedores da marca.

DAVID RODRIGUEZ BELLETI SNEGE


Kawasaki Vulcan S 2018 chega em novas versões e custando até R$ 35 mil.

A Kawasaki do Brasil já anunciou a abertura do início das vendas da Vulcan S na linha 2018. E teremos novidades interessantes na custom da marca. Entre elas, a chegada de duas novas configurações: a Cafe e a Special Edition. O primeiro modelo está custando R$35.490, enquanto que o segundo sai das lojas por R$34.990. O que evidencia a diferença entre elas duas são principalmente os detalhes visuais uma vez que ambas trazem, além do mesmo conjunto mecânico e os mesmos equipamentos de série.

No caso da versão convencional, a faixa de preço está em R$33.990. E em todas elas temos a presença dos freios ABS já como itens de série.

Voltando a Vulcan S Special Edition, vamos ter uma pintura que é distribuída entre a cor branca e o cinza fosco com detalhes aqui e ali na cor laranja. No caso da versão Cafe é interessante observar que ela segue o estilo das conhecidas (e icônicas) Cafe Racer. Temos no modelo um defletor na sua parte dianteira, além de contar com pintura nas cores verde e prata foscos.

A motorização delas, assim como da versão ‘normal’, é um propulsor de 2 cilindros de 649 cc, transmissão de seis marchas, refrigeração a água, 61 cavalos e 6,4 kgfm, além de injeção eletrônica.

No mais, todas as Vulcan S para a linha de 2018 passam a contar com um novo indicador digital de marchas presente no painel de instrumentos.

Kawasaki Vulcan S Cafe

Vulcan S Cafe

Vulcan S Special Edition

BMW S 1000 XR

E já que estamos falando de novidades, temos outra: A BMW do Brasil já iniciou o período de vendas para S 1000 XR. No modelo, há várias novidades, sendo que a principal delas diz respeito a potência. Antes tínhamos 160 cv e agora 165 cv.

A linha 2017 também conta com uma nova cor: a azul Ocean. Segundo informações divulgadas pela própria fabricante, os preços de R$72.900 irão continuar os mesmos.

A 1000 XR possui a mesma mecânica que encontramos na naked S 1000 R, assim como na superesportiva S 1000 RR. Temos também o mesmo motor de 999cm³, injeção eletrônica, 11,6 kgfm de torque a 9.250 rpm e por fim, potência de 165 cv. Vale destacar que houve um leve aumento no torque já que antes era de 11,4 kgfm.

Por Denisson Soares


Confira aqui os detalhes da nova Kawasaki Ninja 650 2018.

A família Ninja da Kawasaki está entre uma das mais conhecidas no mundo das motocicletas. Na maioria das vezes, mesmo os que não entendem nada sobre as duas rodas, tem a ideia de que trata-se daquelas verdinhas famosas. No mercado brasileiro, a montadora japonesa acaba de alterar dois destes modelos: a Kawasaki Ninja 1000 e Ninja 650.

A segunda foi a que sofreu maiores alterações e faltou apenas um propulsor novo para que pudesse ser considerado um modelo totalmente produzido do zero. A aposta do modelo agora é na categoria “sport-touring”, um setor que não é muito explorado no mercado nacional.

Com aparência de superesportiva, a nova motocicleta não aparenta tanta radicalidade como indica seu visual, mas sim, demonstra um todo, onde o piloto não conduz a mesma de maneira desconfortável, para que o mesmo consiga desfrutar da viagem. O objetivo principal da categoria sport-touring é esse, uma tocada com moto-turismo com um visual esportivo.

Anteriormente, o motor de dois cilindros paralelos tinha uma potência de 72,1 cv em 8.500 giros, já a Kawasaki Ninja 650 linha 2018 é lançada com 68 cv em 6.500 rotações. Embora tenha perdido um pouco daquela explosividade, fator de grande nitidez ao decorrer dos testes na região de Morungaba (SP), a entrega de sua força tornou mais linear e chega também mais cedo nas rotações, fazendo com que a utilização do modelo ficasse mais confortável, ainda mais para perímetros urbanos.

O torque, por outro lado, aumentou um pouco, chegando a 6,7 kgfm, o que antes era de 6,5 kgfm. Ainda que pareça um valor baixo, ele chega mais rapidamente ao alcançar os 6.500 giros, já que anteriormente atingia somente a 7 mil rotações.

Um outro fator que ajuda é a utilização de uma embreagem do tipo assistida, o que dá maciez ao acionamento do manete, além do sistema deslizante, o qual faz com que as roda traseiras travem ao reduzir as marchas. Um recurso bem interessante, ainda mais ao trafegar em piso molhado.

Seu sistema de freios está bem dimensionado utilizando ABS, fazendo uso na dianteira de disco duplo com 300 mm e simples na traseira com 220 mm.

FILIPE R SILVA


Novas motos da Kawasaki já estão com a pré-venda liberada.

A fabricante de motocicletas Kawasaki iniciou a pré-venda no Brasil da linha Ninja H2, isto é, já está batendo na porta a chance para as pessoas que querem comprar o que existe de melhor qualidade no setor esportivo da marca japonesa em três opções diferentes: a H2 Carbon, a H2 e também a gigantesca H2R, as quais contam com os preços de uma simples bagatela, sendo R$ 164 mil, R$ 156 mil e R$ 357 mil.

Para que estes preços possam ser justificados, a Kawasaki H2 está alguns passos a frente do que realmente se refere a motocicletas do segmento esportivas. Ela faz uso de um propulsor de 4 cilindros, disponibilizando 998 cilindradas e está equipado com um compressor mecânico, o que resulta em uma potência de 205 cavalos e um torque de 13,6 kgfm, permitindo que a mesma leve uma carga de 238 kg, além do piloto. A Kawasaki H2 Carbon utiliza o mesmo propulsor, porém, é uma edição numerada e limitada a 120 unidades, utilizando uma carenagem frontal fabricada com fibra de carbono, da mesma forma que na H2R.

Exatamente, a H2R, que foi produzida de forma exclusiva para as pistas, conta com um sistema de escape menos restritivo e consegue atingir uma potência de 310 cavalos e um torque de 16,8 kgfm, podendo transportar uma carga de 216 kg além do piloto. Para facilitar a vida e a pilotagem do corajoso consumidor, a moto conta com vários sistemas eletrônicos que podem ser configurados de acordo com a habilidade e o desejo de quem estiver atrás do guidão dessa monstruosa moto.

Já ficou interessado para ter uma delas? No momento já se pode fazer uma reserva por meio da página eletrônica que foi criada de forma exclusiva para a Kawasaki H2. Caso não deseje fazer por este meio, a revendedora mais próxima de sua residência pode fazer parte deste processo. A fabricante pede um prazo de seis meses para que a mesma possa ser entregue, que é o período de importação do Japão e também de fabricação.

FILIPE R SILVA


Piloto de moto Kenan Sofuoglu atingiu a marca histórica de 400 km/h com a Kawasaki Ninja H2R.

O piloto de moto Kenan Sofuoglu nascido na Turquia conseguiu levar a Kawasaki Ninja H2R atingir uma velocidade de 400 km/h em uma ponte do no seu país natal. O recorde ocorreu no dia 30 de junho de 2016, em uma nova ponte que fica no Golfo de Izmit, a qual estava tendo sua inauguração a 50 km da cidade de Istambul.

Para que o piloto Sofuoglu, que é campeão do mundo de Supersport, fizesse tal façanha, a referida ponte teve de ser fechada, para que o mesmo pudesse acelerar a motocicleta e atingir uma marca histórica.

A grande preocupação dos organizadores era o risco de que os pneus viessem a estourar por causa da força e da alta temperatura, sendo assim o campeão teria que bater a velocidade em menos de trinta segundos.

A incrível velocidade de 400 quilômetros horários foi atingida aos 26 segundos com a tentativa de quebrar em uma moto fabricada em linha de produção.

A Ninja H2R consegue chamar atenção por utilizar um supercharger, compressor de ar, em seu propulsor que conta com quatro cilindros e tem 998 cilindradas, conseguindo gerar assim uma potência 316 cavalos. O modelo também faz uso de pequenas "asas" acopladas as carenagens que são feitas de fibra de carbono com intuito de melhorar o efeito aerodinâmico.

A H2R é uma das motocicletas mais velozes da atualidade, porém a companhia não informa qual é a velocidade máxima que a mesma atinge, apesar de ter atingido 400 depois desse “teste”.

Aqui no Brasil a Kawasaki Ninja H2R é comercializado apenas por encomenda e atinge a cifra de 350 mil reais.

A potência que este modelo atinge supera e muito as principais motocicletas esportivas, que contam com 200 cavalos na média.

Quando o quesito é cavalos de potência até alguns veículos esportivos ficam para trás da Kawasaki Ninja H2R.

Podemos tirar uma base com o Porsche Boxter, que é equipado com um motor de 2700 cilindradas (2.7 cc), que gera uma potência de 265 cavalos, no mesmo tempo que a Mercedes-Benz SLK 250 Turbo de motor 1.8 gera uma potência de 204 cavalos.

Por Filipe Silva

Recorde da Kawasaki Ninja H2R

Foto: Divulgação


Nova moto deve ganhar linhas mais parecidas com a da Ninja H2 e contará com o sistema supercharger.

Não há como negar que as motocicletas da Kawasaki, por todo o mundo, são sinônimos elegância e são caracterizadas como sonho de consumo de muitas pessoas devido a imponência e qualidade. E como não poderia ser diferente, os recentes lançamentos da marca, as enfurecidas Kawasaki Ninja H2 e H2R, causaram uma verdadeira agitação, pois estas são equipadas com propulsores de quatro cilindros de 1 litro com sobrealimentação realizada por supercharger, que são capazes de gerar incríveis 200 a 300 cavalos de potência, respectivamente.

Apesar de todo esse conjunto atrair a atenção de muitos consumidores, os preços dessas motocicletas não ficarão muito acessíveis, haja vista que a H2 custa R$ 120 mil e a versão de pista (H2R) sairá por R$ 350 mil.

Todavia, para aqueles consumidores que ficaram extremamente animados com estas novidades, as notícias são boas, uma vez que a fabricante japonesa está trabalhando na produção de uma nova motocicleta sobrealimentada com valor mais acessível. Segundo as notícias que já estão sendo divulgadas nos bastidores, a Kawasaki irá fazer a expansão da utilização do sistema supercharger em modelos de motocicletas até mesmo menos radicais que a série H2, sendo que a próximo modelo a ser contemplado com esta inovação será a famosa Kawasaki Ninja R2, cujo propulsor dotado de 4 cilindros deverá deslocar aproximadamente 800cc, gerando uma potência máxima de cerca de 190 cavalos e um torque que gira em torno dos 11 kgfm.

Este novo propulsor está sendo desenvolvido com a finalidade de ser mais compacto e leve que o da H2 e teria um compressor de geometria variável, ou seja, trabalhará por meio da variação da angulação de suas pás para que haja uma rotação mais rápida para que não aconteça o “lag” em uma faixa menor de giros.  O intercooler seria uma outra aplicação para fazer o resfriamento do ar antes que entrasse na turbina, fazendo com que ocorra uma indução com maior densidade.

Com relação ao design desse novo modelo, algumas projeções já estão sendo divulgadas, sendo que muitos dizem que são oriundas da própria Kawasaki, nessas projeções é possível visualizar algumas linhas bastante similares às da H2, principalmente nas laterais e rabeta, já a dianteira ficou no estilo mais convencional.

O lançamento desta novidade da Kawasaki tem previsão de lançamento no mercado no início do ano de 2017, porém, com grande chances de aparecer ainda neste ano em algum dos grandes salões de motocicletas.

Por Adriano Oliveira


Nova moto conta com a tecnologia de supercharger, aliando os estilos retrô e futurista.

Para você que é fã de motocicletas: a Kawasaki revelou o conceito de sua nova moto com 'supercharger' – KAWASAKI SC01. O modelo utiliza ciber-tecnologia de compressor. Novo modelo possui um incrível visual que reúne um aspecto retrô e futurista.

A empresa Kawasaki mostrou o conceito do modelo SC01, que se apropria da mesma tecnologia de supercharger já vista nas esportivas H2 e H2R. Ainda sem demonstrar os detalhes técnicos, a estética do modelo demonstra que a moto possui um visual que hibridiza aspectos retrô com modernos, ao contrário de seus outros modelos, que reúnem uma estética mais ciber-futuristas.

A Kawasaki inova com o seu motor supercharger, equipado com quatro cilindros em linha, a mesma tecnologia presente nos modelos Ninjas H2 e H2R. A tampa do motor da moto SC 01 é circunscrita por um “River Mark”, uma insígnia datada em 1870 e que foi utilizada pelo fundador da marca japonesa, Shozo Kawasaki, na produção de seus primeiros navios. Outro detalhe interessante fica por conta do duto frontal que leva o ar até o compressor supercharger.

A gigante fabricante de motocicletas não divulgou grandes detalhes sobre o conceito. Mas não se desespere, a marca deve divulgar mais detalhes nos próximos dias.

É válido salientar que, ao contrário do que muitos fãs de motocicletas pensam, um supercharger não é exatamente um motor do tipo turbo. Nas motocicletas equipadas com o sistema turbo, o equipamento é interconectado ao coletor do escape do motor da moto, que se alimenta dos gases expelidos para girar uma turbina, injetando mais ar no motor.

No que se refere ao sistema blower ou supercharger, o sistema é interconectado ao virabrequim do motor por meio de polia e correia, se alimentando da energia fornecida pela rotação dessa peça para engendrar mais ar dentro do motor da moto, fazendo funcionar de forma parecida a um compressor de ar.

Por Felipe Pancheri Colpani

Kawasaki SC01

Foto: Divulgação


Modelo terá preço de venda a partir de R$ 63.990 e deverá chegar ao Brasil no 2º semestre de 2016.

A grande e renomada fabricante de motocicletas Kawasaki mostrou oficialmente, na última quinta-feira, dia 8 de outubro de 2015, a reestilização da Kawasaki Ninja ZX-10R. A divulgação foi feita em um estande do Salão Duas Rodas.

A Kawasaki Ninja ZX-10R nada mais é do que é superesportiva de 1.000 cc baseada em um protótipo utilizado pela marca na disputa do Mundial de Superbike, sendo que este modelo, inclusive, foi contemplado com a conquista antecipada do título da atual temporada da competição.

Este modelo só deverá chegar aqui no Brasil no segundo semestre do ano de 2016, sendo que o seu preço de comercialização ainda não foi definido. Na atual linha o preço desta motocicleta parte de R$ 63.990.

O design da motocicleta não mudou muito, exceção feita a carenagem que, neste modelo, ficou maior e mais larga, já com relação à parte mecânica o modelo recebeu diversas mudanças, as quais foram feitas com o objetivo de melhorar o desempenho da motocicleta, a fim de que ela tenha um desempenho digno de uma motocicleta que teve o seu DNA extraído das competições.

Nesta versão a motocicleta tem garfo telescópico invertido na suspensão frontal, o qual traz um reservatório de nitrogênio, tecnologia esta pioneira em motocicletas e que serve para dar maior conforto e precisão aos condutores.

A balança traseira teve o seu tamanho alongado com o objetivo de dar maior estabilidade nas acelerações e frenagens. Com esta reestilização o chassi desta motocicleta ficou ainda mais leve e passou a pesar 206 Kg, isso em ordem de marcha na versão com freios ABS.

Para não deixar a desejar, motor e câmbio também passaram por aprimoramentos, sendo que o primeiro, de 998 cm³, dotado de refrigeração líquida e com 16 válvulas possui a capacidade de produzir uma potência máxima de 210 cavalos, ou seja, 10 a mais do que a ZX-10R.

Para completar todo este pacote a motocicleta ainda tem acelerador eletrônico, controle de tração e assistente de largada.

Por Adriano Oliveira

Kawasaki Ninja ZX-10R

Kawasaki Ninja ZX-10R

Fotos: Divulgação





CONTINUE NAVEGANDO: